“Não esperem de mim tomar partido contra a máquina ou contra a técnica. Muito ao contrário, julgo que frente a elas, os arquitetos e os artistas em geral viram ampliar-se o seu repertório formal assim como se ampliaram seus meios de realizar. Alinho-me entre os que estão convictos de que a máquina permite à arte uma função renovada na sociedade.”   Vilanova Artigas, 1967

tn_Painel Paralela_phBruno Candiotto (1)

Zero-máquina: em mecânica denota o ponto de referência inicial para a máquina, a origem de reconhecimento para os demais pontos cartesianos, onde o ambiente que distinguimos como livre, inerte, sobrepõe-se ao espaço descrito por números, possibilitando que o organismo maquinal individualize os deslocamentos necessários para executar uma determinada tarefa em X, Y ou Z.

 

ZEROMAQUINA® significa para nós um novo momento, enquanto a cada dia a sociedade contemporânea se demonstra menos compassiva e mais tecnológica, nós acreditamos que a relação entre o analógico e o digital não represente apenas a simples substituição das tarefas manuais, e sim a ampliação das mesmas, sem estabelecer um duelo, mas uma fusão que reconhece os alcances e tangências de dois universos que coexistem.

 

Equipe ZEROMAQUINA®